Quer aprender com quem já
passou pelo que você está passando?

Quer aprender com quem já
passou pelo que você está passando?

Renata Nicolau

Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit. Ut elit tellus, luctus nec ullamcorper mattis, pulvinar dapibus leo.

Renata Nicolau

Renata Nicolau

Cirurgiã Dentista
46 anos
Uberaba – MG

Tive trombose e embolia pulmonar em 2015, pós-parto de minha filha que nasceu prematura, com 31 semanas de gestação. Ocorreu na panturrilha da perna direita, acometendo todas as veias profundas do local e a embolia foi no pulmão esquerdo.

Não tenho nenhum histórico familiar de trombose, sempre levei uma vida saudável, nunca fumei, fazia exercícios regularmente e raramente ingeria bebidas alcoólicas. Mas usei anticoncepcional por 17 anos.

Com 25 semanas de gestação minha bebê apresentou um problema no cordão umbilical, não sabiam ao certo o que havia causado, só que ela nasceria prematura, graças à Deus ela nasceu perfeita e só precisou de cuidados na UTI neonatal.

Demorei 1 semana para procurar o médico e constatar a trombose e embolia, afinal quando se tem uma filha na UTI e meu pai que também estava na UTI acabou falecendo, a dor emocional se torna infinitamente maior que a dor física. Fiz vários exames, até minha placenta foi examinada na época, mas só depois de 1 ano de tratamento da trombose pude fazer a investigação de trombofilia, e “BINGO”; Tenho SAF (síndrome do anticorpo antifosfolipideo), e foi por isso que tive o problema na gestação, correndo o risco de perder meu bebê; e tive a trombose e consequentemente embolia.

Com a trombose encontrei em mim uma força que nem sabia que existia, e se já tinha fé em Deus, depois então…ah ela se tornou maior ainda!

A partir daí, comecei a procurar informações, nem sempre os médicos explicavam direito o que aconteceu comigo. Mas uma coisa eu tinha certeza, quanto mais eu me informasse e contasse meu caso as pessoas, mais chances eu teria de não ter outra vez a trombose e ajudaria outras pessoas a prevenir também. Foi buscando informações que encontrei o Instagram da @thalitamarasantos e me identifiquei muito com a história da Thalita Mara.

Ela tem um jeito “mineiro” de ser que me encantou e me fez ver a doença de uma forma mais leve, ou como ela diria mais “Mara”. Mesmo nos puxões de orelha quando não cuidamos das meias elásticas da forma correta, ela consegue dar leveza à questão.

As Lives e as postagens estão sempre me trazendo informações valiosas, e tenho certeza que assim como me ajuda a entender a doença, e prevenir uma recorrência, ajuda outras pessoas também. A Prevenção é o melhor caminho!